quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Simples, como qualquer palavra.

"E a palavra vem, pequena, querendo se esconder no silêncio, querendo se fazer de oração. Baixinha como a altura da intenção e na insegurança. Vírgula, parênteses, exclamação, ponto pula linha, travessão. E a palavra vem ... Vem sozinha! Que a minha frase invento pra te convencer! Vem sozinha ... Se o texto é curto aumento pra te convencer. Palavra, simples como qualquer palavra."

Suas palavras fazem barulho e causam arrepios. É como explicar o inexplicável, traduzir cada centímetro da saudade guardada no peito. É tanto desejo aí dentro, que você é capaz de exalar a paixão que não aconteceu, o beijo que não foi dado e a felicidade que não foi sentida. A vontade que prevaleceu foi a de saber mais da sua vida e de onde vinha toda essa agonia que suas palavras transpareciam... Todos os dias, as suas linhas sensíveis e cheias de sentimento me despertavam a idéia de que por trás de tantos parágrafos melancólicos, havia um grande homem... Sereno, cheio de dúvidas e perguntas sobre si mesmo, mais que sustentava dentro do peito um coração grande demais pra não querer continuar sorrindo. A confirmação do que a intuição insistia em dizer, veio nos primeiros cumprimentos, nos primeiros diálogos misteriosos sobre passado, presente e futuro, nas primeiras parcerias singelas e principalmente na confiança mútua e momentânea que se deu entre nós. Sei lá, uma coisa bacana... Uma sintonia poucas vezes sentida, uma vontade estranha de abraçar e sentir o calor da pele do carioca atípico e que não gosta da euforia comum do lugar onde mora. Mesmo a longas distâncias, eu consigo ver o brilho nos teus olhos, consigo perceber toda a reciprocidade do nosso sentimento, consigo finalmente entender a teoria de que pessoas legais moram longe.
Queria eu, poder abrir a janela de casa e dar de cara com o seu sorriso. Queria ter a sorte de ser o seu refúgio nos seus dias mais difíceis e fazer das minhas palavras o teu consolo, quando lágrima nenhuma cessar. Se fosses meu vizinho, meu conterrâneo ou mesmo amigo próximo, talvez não fosse tão querido como é, pois é na ausência de quem é fundamental que aprendemos a conservar o apreço.
Na diferença de realidades, de histórias, e de todo o contexto que nos envolve, é que eu me apaixonei pelo seu caráter, pela sua verdade e gentilezas. Sou alucinada por esse homem de poréns inacabáveis, de tristezas incuráveis e de sorrisos indispensáveis.
Honra o sobrenome. Lagos são espelhos, que refletem a verdadeira face, que não escondem o que está por fora e no entanto, não revelam pela superfície, o que realmente há no fundo.


Dedicado à Carlo Lagos
Meu amigo, confidente e alma-gêmea-gramatical.

13 comentários:

  1. Flavinha, belissimo texto!!

    Que bom poder olhar nos olhos de alguém e sentir o mundo rodando, rodando e não conseguir parar de admirá-lo...

    Que lindo é o amor!!
    Parabéns flor, adoro me encantar com seus textos!

    Mil beijocas

    ResponderExcluir
  2. Nossa, muito lindo o texto!!
    Muito perfeito, mesmo!!
    Amei a parte da janela, tão criativo!!
    "Queria eu, poder abrir a janela de casa e dar de cara com o seu sorriso. "
    bjos

    ResponderExcluir
  3. Palavras são transcritas pelo olhar, pelo conhecer e admirar, doces palavras!!

    beijos Flavinha!!!

    ResponderExcluir
  4. Nossa, que lindo.
    Antes de ler a dedicatória eu imaginei que o Carlo fosse o carioca atípico de um caráter apaixonante. rs
    Ele é muito especial!

    " Se fosses meu vizinho, meu conterrâneo ou mesmo amigo próximo, talvez não fosse tão querido como é, pois é na ausência de quem é fundamental que aprendemos a conservar o apreço."

    Isso foi muito verdade.

    Beijo

    ResponderExcluir
  5. nooooooossa, muito, muito, muito lindo *-*
    ele deve se sentir mega honrado por ter sido merecedor dessas palavras *-*

    e o teatro arrasa sempre rs :)

    ResponderExcluir
  6. olá Flávia

    sou seu novo seguidor e adorei o que vocÊ escreve. As palavras bem colocadas sempre atinge o coração mais necessitado.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  7. muito, muito lindo *-*
    suas palavras impressionam!! é tão bom sentir o amor ne?! Apenas simples gestos, olhares.. enfim... nos ilucidam ne!!
    AMEI

    Beijos. passa la?!

    ResponderExcluir
  8. Deixei o acesso ao meu blog apenas à leitores convidados. Gostaria de lhe enviar um convite. Envie seu email do blog para o meu: angelica3292@gmail.com.

    Aguardo retorno!
    Abraço

    ResponderExcluir
  9. Como agradeço?

    Não sei...ñ sei mesmo...Ninguém nunca fez uma definição tão exata e tão próximo de descobrir o meu ser, ñ que eu faça por onde ser uma pessoa enigmática, mas dizem que acabo sendo =/


    Eu amo vc de uma forma tão delicada, todo dia qnd acordo me pergunto se estás bem, faço por onde ter sempre contato, notícias...eu te prometi, eu te jurei que a gente ñ ia se afastar e assim será!

    "Quando a vida me iluminou. A minha luz era você. "

    TE AMO!!!

    Incontáveis beijos e abraços.

    ResponderExcluir
  10. Que lindo!
    Amei! amei o blog tb!
    beijos

    ResponderExcluir
  11. "..pois é na ausência de quem é fundamental que aprendemos a conservar o apreço."

    Guardo isso comigo,hoje.

    Você é linda, Flavia.

    ResponderExcluir
  12. "consigo finalmente entender a teoria de que pessoas legais moram longe"
    E quão longe elas moram... As vezes nem nosso amor é capaz de diminuir essa distância.
    Todas essas terras e mares que nos separam parecem tão imensas que as esperanças tem que triplicar, quintuplicar pra sentir o outro perto. Lindo texto!

    ResponderExcluir
  13. Linda, adorei o seu blog...
    O layout é muitooo fofo!!

    ESPEro a sua visita no meu blog tambem.
    Já estou te seguindo!!!

    bjooo

    ResponderExcluir