terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

"E aprende que ...

não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára, para que você o concerte".

Me dê motivos. Se esclareça, assine em baixo das suas afirmações. Só não fuja um segundo depois de entrar por essa porta. Eu te dei todas as oportunidades, fui além do meu orgulho e você não soube aproveitar. Essa coragem transparecendo na minha fisionomia é só mais uma consequência de tudo o que você causou. Senti medo de ser passageira, de que viesse de repente pelo fervor do momento e de que logo, da mesma forma, fosse embora, como tantas vezes já aconteceu. Surpresa e satisfação, não foi. Tive medo de ser a pessoa mais forte e madura do mundo, e ver essa lucidez necessária não ser nada mais que ilusão, raiva. Tive medo de fazer o já repetitivo papel de mulher decidida e acabar outra vez, chorando com você. E acabou que medo e insegurança vieram a ser aliados... Os anos passam e as pessoas mudam, fato. Algumas cansam de fazer sempre o caminho inverso e dão voltas de cento e oitenta graus pra fazer o universo conspirar a seu favor.
A antiga mania de viver em função de você deu lugar ao hábito de planejar dias diferentes, de lembrar do que é importante e da nova vida sem a barreira ambulante para me impedir de prosseguir. Não sou o tipo de pessoa que renega o passado, mais você é a inevitável exceção à regra. Não retiro nenhum 'eu te amo' dito, nem nada que ainda reste dentro de mim. Não consigo fingir que verdades são mentiras.
Eu espero por você. Espero, porque sei com convicção, que você ainda vai me consumir, e vai insistir em querer reviver. Vai dizer que está pronto, maduro e homem, como eu sempre quis que você fosse. Vai aparecer com olhares piedosos, expressões ensaiadas e buquês de flores implorando pra que eu seja de novo, sua. Talvez ainda te ame um pouco. O pouco que sobrou. Eu só não sinto vontade de te amar, não sinto vontade de fazer valer o verbo, de executar a ação a qual amar nos dá direito. Não mais. É um sentimento que de tão retorcido, já não se ajusta. Existe, ocupa espaço, só não tem a forma do coração.

16 comentários:

  1. Ah Flávia, amei o seu texto, ficou tão lindo! Parabéns amor! beijos

    ResponderExcluir
  2. "não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára, para que você o concerte".
    Amei essa frase, não sei se é de sua autoria mas peço autorização para copià-la, talvez eu a use em uma das minhas histórias.
    lindo post.
    bjos

    ResponderExcluir
  3. Flávia... é uma delicia ler-te!!!


    Beijos
    AL

    ResponderExcluir
  4. Flavinha!!!

    Que lindo texto!!

    É sempre assim quando menos esperamos ele voltam e querem reviver o que sobrou de um passado de lágrimas....


    Adoroooooo esse cantinho, ÔOOOO viciooo!!!

    beijos

    ResponderExcluir
  5. "Talvez ainda te ame um pouco. O pouco que sobrou. Eu só não sinto vontade de te amar, não sinto vontade de fazer valer o verbo, de executar a ação a qual amar nos dá direito. Não mais." eu realmente me identifiquei com essa parte, mais do que você imagina, ah tá lindo o texto, parabéns! beijos!

    ResponderExcluir
  6. Ain... Alem de linda, vc escreve tao bem *-*
    Virei sua fã sabia? Nao saiu mais daqui... hehe
    Disse tanto por mim, em tantas dessas linhas. Foi emocionante, arrepiante...
    Escrevemos de forma parecida. Nao medimos esforços pra falar de sentimentos.

    "Eu espero por você. Espero, porque sei com convicção, que você ainda vai me consumir, e vai insistir em querer reviver. Vai dizer que está pronto, maduro e homem, como eu sempre quis que você fosse. Vai aparecer com olhares piedosos, expressões ensaiadas e buquês de flores implorando pra que eu seja de novo, sua. Talvez ainda te ame um pouco. O pouco que sobrou. Eu só não sinto vontade de te amar, não sinto vontade de fazer valer o verbo, de executar a ação a qual amar nos dá direito. Não mais. É um sentimento que de tão retorcido, já não se ajusta. Existe, ocupa espaço, só não tem a forma do coração. "

    ResponderExcluir
  7. Mesmo que os cacos sejam recolhidos,
    ainda ficarão alguns escondidos em algum lugar..
    impossível de encontrá - los.
    Não dá pra evitar lágrimas que já foram derramadas!

    Lindo, Flávia!

    ResponderExcluir
  8. Suas palavas mexem com as pessoas *-* Alem de ser simples e meiga. Parabens! (: s2

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Flávia, minha linda! Me perdoe a ausência de comentários. Eu sempre passo por aqui, e a acada dia que faço isso, fico deslumbrada com a maneira gostosa como você escreve. Que texto lindo, você nos faz vivenciar as cenas, as situações de desencontros, desamores, paixão, felicidades repentinas, intensas... Eu adoro isso aqui. Você escreve com olhos da verdade dos sentimentos, e você faz isso muito bem, muito mesmo. Obrigada por sempre estar lá, juntinho comigo.

    Um beijo, moça linda!

    ResponderExcluir
  11. Refazer sempre... é o que importa!

    Adorei seu canto, encanta!

    beejos

    ResponderExcluir
  12. Ola, achei seu blog.. gostei e estou seguindo! Me segue tbm?? Depois quando puder passa la!

    ResponderExcluir
  13. "Existe, ocupa espaço, só não tem a forma do coração."

    aaaaah, como você consegue? rs
    parece que por mais palavras que eu use pra tentar passar o que eu sinto, sempre falta alguma coisa, e é essa "alguma coisa" que eu sempre encontro aqui.

    adoro seus textos, você merece todo sucesso do mundo :*

    ResponderExcluir
  14. E como aprendemos com a vida!

    Bjos Flávia

    ResponderExcluir
  15. me lembrou a musica da kt tunstall :D

    ResponderExcluir